Seguidores

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A MORTE E A MISÉRIA,UMA FÁBULA MODERNA!





 A MORTE E A MISÉRIA
             UMA FÁBULA MODERNA
Era uma vez uma velhinha muito velha que parecia ter nascido junto com o mundo.
Seu jeito  frágil, seu corpo curvado e seu rosto encarquilhado onde dois olhos sem luz miravam o mundo de um modo desconsolado,enfim,seu todo respirava fraqueza e indigência.
Pois Sabina era muito pobre. Desde quando? Desde sempre.
Coberta de  andrajos , saía para esmolar carregando um velho saco,imundo,assustando as crianças,cujas mães,diziam que dentro do surrão ela carregava crianças desobedientes para entregar ao bicho papão.
Voltava tarde para casa,  cansada, carregando pedaços de pão e algumas moedinhas que arranjava pelo caminho;de vez em quando uma boa alma lhe dava um prato de comida ou pedacinhos de frango que ela carregava com cuidado para sua choupana de pedras coberta de galhos secos.
Em frente á cabana havia uma mangueira procurada pelos garotos vadios da vizinhança que atiravam pedras á  esmo, tentando apanhar mangas.
Sabina  muitas  vezes  dividia com eles as frutas que caíam.Mas,ficava muito irritada com o alarido que faziam e com as pedras atiradas que maltratavam sua mangueira de estimação.
Numa bela manhã ensolarada um peregrino bateu á sua porta; parecia ainda mais pobre do que ela que se compadeceu dele e lhe deu água fresca e abrigo.
Á noite tomaram uma sopa de  frango ,  cuja coxa alguém lhe tinha dado,enriquecida com umas verduras colhidas no mato.Uma côdea de pão amanhecido completou a refeição.
Mal raiou o dia o peregrino, cujos olhos azuis e penetrantes chamavam  atenção ,agradeceu-lhe o pouso e lhe falou,gentilmente:
-Peça o que desejar que  será   atendida.
-Só tenho uma coisa a lhe pedir, disse a velha.
-Fique á vontade, amiga.
-Gostaria que quem subisse na mangueira só pudesse descer com o meu consentimento.
-Seu desejo será satisfeito.
Quando os garotos vadios subiram na  árvore ,  e rindo e aos berros entre si , tentaram descer com um cofo cheio das melhores mangas,descobriram que não podiam  fazê-lo.Estavam presos lá em cima.
Depois de várias tentativas frustradas começaram a chorar e pedir socorro.
A velha apareceu, vinda do quintal e eles apelaram para  ela; desceram logo,mas,sem levar as mangas roubadas que voltaram intacta para seus galhos.
Tempos depois, outro peregrino parou á sua porta, mas,desta vez era uma pessoa meio sinistra e muito agitada.Um espesso capuz negro escondia-lhe o rosto.
_O que você quer?  Disse   Sabina.
-Sou a Morte e venho lhe buscar.

-Assim, de repente?!Não quero ir ainda. Posso ficar mais um ano?
-Não.
-Dona Morte, pelo menos me deixe comer aquela bela manga que está no alto da mangueira.
E,sonhadora:
-Gostaria tanto!...
-Isso  posso fazer.
-Ó , minha senhora, sou tão velhinha e tão frágil que não conseguiria subir no topo da árvore.A senhora é magra,mas,é forte.
E, aliciadora:-Faria isso por mim?
A Morte arrepanhou a saia negra como azeviche e subiu na árvore com muita pressa. Afinal, tinha outros mandatos a cumprir e não precisava daquela velhinha lhe chateando.
Assim que a viu lá em cima, a velhinha usou os dons que recebeu.
-Fique ai até eu mandar descer.
Então uma coisa muito estranha aconteceu. Durante muito tempo ninguém  morreu. Os padres, as funerárias e os governos botaram a mão na cabeça.
Se ninguém morresse como ficaria esse mundo super povoado?E os negócios? De que viveriam os médicos? E os  coveiros, sem trabalho? E as missas e extrema – unção?
O Papa lá em Roma não gostaria nada disso...
Rouca de tanto gritar a Morte teve que entrar num acordo com a velha a quem os homens bons da cidade chamavam de Tia  Miséria. Se ela lhe deixasse descer viveria para sempre. Seria imortal.
E, assim foi feito, como lhes estou contando.
É por isso que faça o que se  quiser, ninguém nunca extirpará a Miséria da face da terra.



    UM POEMA DE EURÍPEDES BARBOSA RIBEIRO

        O poeta e seu livro: "AMORES DISPERSOS E OUTROS VERSOS"

 O PESCADOR E O POR DO SOL
Permito-me fazer parte desta tarde
E incorporar-me atrevido
Neste por do sol
Peixes
Que peixes?
Bastam-me as histórias
Que a minha memória há de guardar
Deste mágico momento.

Eu
O rio
E todo o encantamento Todo esse esplendor
Esta pintura divina no céu
Que antecede a noite
Que vale pelos peixes não pescados
Pelas mentiras que não serão contadas
 por este pescador!




O nobre e querido poeta partiu rumo ás estrelas ,onde fica o pouso final de todos os poetas.
Uma singela homenagem da amiga Miriam Sales.


FALA O LEITOR:




25/11/11 14:29 - CONCEIÇÃO GOMES

Soube pelo Cacá que havia sabido por voce. Estou passada ainda. Eury
como diz voce, foi um dos primeiro que me leram por aqui e vido dele
uma boa critica, foi um estimulo para ficar por aqui. Que ele esteja
com DEUS.




24/11/11 21:58 - Carla Elisio

Linda homenagem Miriam parabéns querida Poetisa!!!
Os verdadeiros amigos e os grandes Poetas não morrem, apenas partem
antes de nós!!!
Que Eury descanse em PAZ!





24/11/11 21:14 - Rejane Chica

Fiquei pasma,Miriam!Triste!LUZ pra ele em seu descanso! beijos,chica

26/11/11 20:51 - Lianatins,via RL

Fiquei muito triste com a partida do poeta Eurípedes, gostava quando
ele vinha aqui na minha escrivaninha...ele foi um dos primeiros a
comentar meus textos quando entrei aqui no Recanto!Mas agora ele está
na morada de Deus, e com certeza que está ainda no meio de nós com
suas poesias...Um abraço fraterno deixo-te.


15 comentários:

  1. Mande essa velhinha passar aqui em casa.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Miram, o Eurípedes partiu hoje? Eu sabia que ele havia sofrido um infarte, mas segundo ele mesmo, estava já recuperado. Que coisa, meu Deus! Esse ano a morte está me rondando mesmo! Melhor eu conhecer logo logo esta velhinha aí da fábula.rsrs.

    Abraços, minha querida.Vou lá transmitir minhas condolências na página dele no Recanto.

    ResponderExcluir
  3. Miriam voce recbeu noticia hoje? Nao vi nada nos jornais de Camaçari.
    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  4. Um homenagem muito merecida minha amiga! De alguma forma, ele continua vivo dentro de cada um de nós que aprendemos a admirar sua obra, mas, sobretudo, o amigo e o cidadão. A vida continua onde você estiver, caro poeta! Meus sentimentos, amiga!

    ResponderExcluir
  5. Deus me livre ,Ty,que é isso?!!!
    Quer me deixar triste?
    Vc é um amigo,um irmão,uma alegria e uma inspiração.
    Passa fora,Sultão! bjks

    ResponderExcluir
  6. Chispe,Kaká...Nossa,meus ammigos estão mórbidos hoje!
    Não parte mais ninguém daqui sem me consultar. rsss bjks vividíssimas

    ResponderExcluir
  7. Toninho,nem vai ver,penso eu.Li,por acaso,no obituário do Correio. Fiquei chocada. bjs

    ResponderExcluir
  8. Nossos sentimentos a todos nós.Ele,onde estiver.saberá o quanto era querido.Recebi algumas ligações de amigos do Fala Escritor,muito abalados, como nós ficamos.
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Cacá e Toninho
    Perdemos outro amigo do Recanto,o Fernando Brandi.Amigo de primeira hora ,de qdo eu comecei.Tristezas...

    ResponderExcluir
  10. Miriam realmente fiquei triste, já sabia a Fernanda Xerez me mandou um email, muito triste, mas acredito que lá no céu com seu talento imagino quantos lindos poemas ele fará, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  11. Bonita homenagem à memória de Eurípedes. Sua bela obra ficará para sempre. Abração.

    ResponderExcluir
  12. Estamos todos tristes ,AmigaAinda nem acredito direito. bjs

    ResponderExcluir
  13. Pois é,Tunin,os poetas não morrem.
    Enquanto um livro seu for aberto ele nos falará. bjs

    ResponderExcluir
  14. Essas perdas fazem parte da vida, mas nos entristecem muito.
    Beijos, querida!

    ResponderExcluir